Cozinha Internacional

Paella Gaúcha

paella gaúcha

Prato de origem espanhola, nesta receita, a paella é adaptada às tradições da cozinha brasileira, mais concretamente da gastronomia gaúcha, sendo preparada com diversos tipos de carnes, arroz e uma grande variedade de ingredientes. Os tradicionais frutos do mar são integralmente substituídos por carne e linguiça, e o arroz enriquecido com ervas aromáticas e temperos, dando origem a um prato saboroso, aromático e com uma excelente combinação de ingredientes.

Ingredientes:

Carne Agridoce – Sauerbraten (Alemanha)

Carne Agridoce - Sauerbraten

Sauerbraten é uma receita tradicional alemã que consiste num assado de carne, geralmente bovina, marinado numa mistura de ingredientes que lhe conferem o seu característico sabor agridoce. A carne tem de ficar pelo menos 24 horas na marinada, sendo que um bom sauerbraten pode marinar durante vários dias.

É um dos pratos alemães mais conhecidos, havendo variações regionais da receita ao nível dos ingredientes da marinada, molho e acompanhamentos. Tradicionalmente, o prato é servido com couve roxa, bolinhos de batata, batata cozida ou macarrão.

Galeto ao Primo Canto (Rio Grande do Sul)

galeto al primo canto

Galeto ao Primo Canto é uma receita tradicional gaúcha, feita à base de frangos pequenos assados, sendo considerada uma das referências gastronómicas de Rio Grande do Sul, a par do arroz de carreteiro e o churrasco.

Desde a década de 30 do séc. XX que este prato é comercializado em restaurantes, intitulados galeterias, que alcançaram fama, tendo-se disseminado por todo o estado de Rio Grande do Sul.

Moamba de Galinha (Angola)

moamba de galinha

A Moamba (ou Muamba) de Galinha é um dos pratos mais populares de Angola, sendo uma belíssima demonstração da cozinha tradicional daquele país. A receita, além da galinha, é feita com ingredientes como óleo de palma, quiabos, gindungo (piripiri), cebola, abóbora e alho.

Uma receita muita saborosa e igualmente calórica, tradicionalmente servida com Funge de milho ou de mandioca.

Charque Farroupilha

charque

A Revolução Farroupilha, também conhecida por Guerra dos Farrapos, deu-se no Rio Grande do Sul e foi a mais longa revolta brasileira (1835-1845). Na época, esta região do Brasil tinha uma economia baseada na criação de gado e na produção de charque (carne seca), couro, sebo e graxa, que se destinavam ao mercado interno. O charque era vendido em todas as províncias (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e na região nordeste), pois era usado na alimentação dos escravos.

Os produtores gaúchos reclamavam dos altos impostos cobrados pela entrada de seus produtos nas outras províncias e da concorrência “desleal” do Uruguai e da Argentina, países que também produziam e vendiam charque para o Brasil, mas que pagavam um imposto alfandegário baixo. Assim, os produtos importados eram muitas vezes mais baratos que os provenientes do Rio Grande do Sul, o que estava a arruinar a economia gaúcha. A 20 de setembro de 1835, os rio-grandenses, conhecidos como farroupilhas (palavra usada para ridicularizar os simpatizantes das ideias liberais), revoltaram-se contra o governo, obrigando o presidente da província a fugir. A partir de então, a cada 20 de setembro se assinalam os ideais da Revolução Farroupilha, que tinha como objetivo melhorar as condições económicas de Rio Grande do Sul. E é assim que, todos os anos, os gaúchos reafirmam o orgulho nas suas origens.