Cozinha Portuguesa

Açorda de Sável (Ribatejo)

açorda de sável

O sável é um peixe gordo, sendo atualmente conhecida  e valorizada na gastronomia a importância para a saúde dos ácidos gordos encontrados neste tipo de peixe.

A açorda de sável é um prato típico do Ribatejo, região marcada pelo rio e dominada pelo modo de vida ribeirinho. Esta açorda acompanha tradicionalmente o sável frito, sendo a cabeça e ovas aproveitadas para preparar esta conhecida especialidade da cozinha tradicional. Existem algumas variantes noutras regiões do país,  mas não alteram o essencial da receita.

Ingredientes:

Polvo Assado no Forno (Açores)

polvo assado no forno à moda dos Açores

O polvo é um alimento de excelência em termos nutricionais e nas utilidades culinárias que lhe podemos dar – cozido, frito, guisado, grelhado ou estufado, liga-se na perfeição aos demais ingredientes, criando pratos deliciosos. Mas, apesar de ter uma grande expressão na cozinha portuguesa, de serem várias as formas de o confecionar, da sua presença marcante (de norte a sul do país) na ceia da Consoada, as receitas de polvo que têm maior relevância gastronómica são as dos Açores. Exemplo disso é esta receita, que representou o arquipélago na eleição das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa, na categoria dos pratos de peixe, tendo sido uma das finalistas.

O polvo assado no forno é confecionado em todas as ilhas dos Açores, de diversas formas, mas foi em Ponta Delgada, nas décadas 50 e 60 do séc. XX, que a receita adquiriu o estatuto que lhe permitiu tornar-se um ex-libris gastronómico, sendo um prato de referência na ceia de Natal.

Água de Unto (Minho)

água de unto

Esta é uma das receitas de sopas mais populares do Minho, tradicionalmente comida, no dia a dia, pelas pessoas que trabalham no campo. É uma sopa consistente e, por isso, durante a guerra, quando escasseava o açúcar, comia-se Água de Unto ao pequeno-almoço para retemperar as energias e enfrentar um novo dia de trabalho no campo.

Ingredientes:

Coelho à Caçador

coelho à caçador

Esta receita tem as suas raízes na tradição da caça ao coelho bravo. A facilidade de reprodução deste animal e o elevado número que podem atingir foram os grandes impulsionadores para que os homens os caçassem, a fim de protegerem as colheitas. As peles do coelho poderiam ser comercializadas ou usadas para fazer brincadeiras com as crianças das aldeias.

A carne do coelho bravo, com o seu sabor característico, rapidamente se tornou na base de diversos pratos tradicionais, havendo verdadeiros comensais em volta da mesa para saborear o fruto de uma caçada bem sucedida.

Canja de Borrego Beirã

canja de borrego

A canja de borrego é uma sopa tradicional beirã, concorrente às 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa. A sua candidatura foi feita com o intuito de promover a carne de borrego da Beira, que é um produto de excelência desta região de Portugal.

A canja de borrego é tradicionalmente confecionada numa panela de ferro, com ingredientes que marcam os sabores da região, como o azeite, a cebola e a cenoura. Esta é uma sopa com um sabor forte, característico do borrego, muito estimada pelos apreciadores desta carne.