Páscoa

Cabrito Assado (Beira Baixa)

cabrito assado (Beira Baixa)

Em Portugal, o cabrito assado é uma receita associada às festividades do Natal e da Páscoa. Embora cada família tenha os seus costumes na época de Natal, o cabrito come-se tradicionalmente no dia 25 de dezembro e não na noite da consoada.

Veja como preparar esta receita prática de cabrito, típica da região da Beira Baixa e com excelente sabor.

Chanfana (Miranda do Corvo)

chanfana

A Chanfana é um prato da região centro de Portugal, com um lugar de destaque no receituário da cozinha tradicional pelo sabor e aroma de excelência, apesar da simplicidade dos seus ingredientes, sendo a preparação apurada ao longo dos tempos. A receita, que deve ser preparada de véspera para tomar o sabor dos temperos, é feita à base de carne de cabra, devidamente condimentada, temperada e totalmente coberta com vinho tinto de boa qualidade. O acompanhamento típico deste prato é a tradicional batata cozida com pele, embebida no molho intenso da carne. Há quem diga que a chanfana é ainda melhor se for reaquecida e comida no dia seguinte ao do preparo.

A receita terá nascido em Semide, uma freguesia do concelho de Miranda do Corvo, que é atualmente conhecido por ser a capital da Chanfana. Também é conhecida como Carne de Matrimónio, por ser tradicionalmente servida em todos os casamentos na região, ou Lampantana, na região da bairrada. Pensa-se que terá sido um prato criado pelas monjas do Mosteiro de Santa Maria de Semide que, durante as invasões francesas, para evitar que os franceses lhes roubassem os rebanhos, mataram os animais e os cozinharam. Como os franceses tinham envenenado as águas, as monjas utilizaram vinho na confeção.

Sopa do Espírito Santo (Ilha Terceira)

sopas do Espírito Santo

As festas do Espírito Santo são realizadas desde a Idade Média e ocorrem tradicionalmente aos domingos, durante sete semanas depois da Páscoa. Num misto de profano e religioso, são celebradas em todas as ilhas dos Açores, com especial destaque na Ilha Terceira, onde o culto foi mais difundido. Têm o seu ponto culminante na sétima semana de celebração, quando ocorre um almoço, que é confecionado e distribuído pelos participantes (tradição que terá a sua origem na distribuição de pão aos pobres, pela Rainha Santa Isabel), no qual é servida a tradicional sopa do Espírito Santo – concorrente às 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa.
Também conhecida como sopa de carne, a receita difere de ilha para ilha, mas na sua base está sempre um caldo da cozedura de carnes, o pão duro e a  hortelã, que confere aroma e frescura à receita.

Ingredientes:

Polvo Guisado à moda de S. Miguel (Açores)

polvo guisado

Saiba como confecionar este prato tradicional da cozinha açoriana, um dos mais representativos da gastronomia do arquipélago, ocupando um lugar de destaque à mesa na ceia de Natal. O polvo guisado pode ser servida como prato principal, sendo acompanhada com batata ou arroz branco, ou como petisco.

Nos Açores, o polvo saboreia-se guisado ou estufado em vinho tinto ou de cheiro, e leva sempre malagueta. Também se serve polvo assado, sendo menos comum encontrar receitas de polvo cozido, variante pouco apreciada nas ilhas açorianas. A receita tem pequenas variações relativamente ao polvo guisado da ilha do Faial, sendo ambos muito apetitosos.

Polvo Guisado à moda do Faial (Açores)

polvo guisado

O polvo guisado é um dos pratos mais emblemáticos da cozinha tradicional açoriana, tendo uma confeção muito idêntica em todas as ilhas. Além do polvo guisado do Faial, a receita tradicional de S. Miguel é uma que ganha maior destaque na gastronomia do arquipélago, havendo poucas variações entre ambas. Todas as receitas de polvo guisado nos Açores levam malagueta na sua preparação, o que permite acentuar sabores, tornando este prato tradicional muito saboroso.

A par com o bacalhau, o polvo guisado é uma referência gastronómica do Natal açoriano, marcando presença quase obrigatória na ceia da Consoada. Tradicionalmente, o polvo guisado do Faial serve-se com batatas cozidas e pão de milho.