Charque Farroupilha

charque

A Revolução Farroupilha, também conhecida por Guerra dos Farrapos, deu-se no Rio Grande do Sul e foi a mais longa revolta brasileira (1835-1845). Na época, esta região do Brasil tinha uma economia baseada na criação de gado e na produção de charque (carne seca), couro, sebo e graxa, que se destinavam ao mercado interno. O charque era vendido em todas as províncias (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e na região nordeste), pois era usado na alimentação dos escravos.

Os produtores gaúchos reclamavam dos altos impostos cobrados pela entrada de seus produtos nas outras províncias e da concorrência “desleal” do Uruguai e da Argentina, países que também produziam e vendiam charque para o Brasil, mas que pagavam um imposto alfandegário baixo. Assim, os produtos importados eram muitas vezes mais baratos que os provenientes do Rio Grande do Sul, o que estava a arruinar a economia gaúcha. A 20 de setembro de 1835, os rio-grandenses, conhecidos como farroupilhas (palavra usada para ridicularizar os simpatizantes das ideias liberais), revoltaram-se contra o governo, obrigando o presidente da província a fugir. A partir de então, a cada 20 de setembro se assinalam os ideais da Revolução Farroupilha, que tinha como objetivo melhorar as condições económicas de Rio Grande do Sul. E é assim que, todos os anos, os gaúchos reafirmam o orgulho nas suas origens.

Bacalhau à Brás

bacalhau à Brás

O bacalhau à Brás é um prato típico da cozinha portuguesa, de confeção simples, sendo um dos mais afamados pratos de bacalhau. A sua popularidade levou-o além fronteiras de Portugal, sendo também possível encontrá-lo em ementas espanholas, onde recebe a designação de “revuelto de bacalao a la portuguesa”.
A receita, feita com bacalhau desfiado, batata frita em palha, ovos mexidos e salsa, terá sido criada por um taberneiro do Bairro Alto, em Lisboa, de nome Braz. Devido à grafia do nome do seu autor, este prato também é conhecido como Bacalhau à Braz.

Ingredientes:

Cozido à Portuguesa

cozido à portuguesa

Cozido à Portuguesa é um dos pratos de referência na cozinha tradicional portuguesa, muito apreciado aquém e além fronteiras. A receita é feita à base um cozido de carnes, enchidos, legumes e vegetais variados, criando um prato colorido, aromático e muito saboroso. No seu todo, é um prato intenso e rico, ideal para os dias frios do Inverno.

No que diz respeito aos legumes e vegetais, por norma cozem-se feijões, batatas, cenouras, nabos, couves e hortelã. Nas carnes, encontram-se uma mistura de carnes de ave, porco e vaca – frango ou galinha, entrecosto, entremeada, orelha e chispe de porco e carne de vaca. Os enchidos típicos são o chouriço (de carne e de sangue), a farinheira e a morcela.

Bobó de Camarão (Baía)

bobó de camarão

O bobó de camarão é um prato tradicional da cozinha baiana, com raízes africanas, tendo sido introduzido na gastronomia brasileira no século XVII. Consiste num creme perfumado, feito à base de mandioca (ou aipim, como se designa na região nordestedo Brasil), azeite de dendê, leite de coco e camarão, apresentando um aroma e colorido capazes de abrir o apetite.
Originalmente preparada com inhame, a receita foi sofrendo ajustes até à atualidade, embora ainda seja preparado, em algumas regiões, de acordo com a receita original. A receita tradicional mantém  alguns ingredientes de origem africana, como a pimenta e o azeite de dendê, e outros nativos do Brasil como a mandioca.
É um prato tradicional nos almoços familiares e restaurantes baianos, podendo ser servidodo quente, morno ou frio, como prato principal ou como acompanhamento.
Para decorar, reserve alguns camarões para dispor em cima do prato depois de pronto. Bom apetite!

Ingredientes:

Arroz de Lampreia (Entre-os-Rios)

arroz de lampreia

Surgem cada vez mais novas formas de cozinhar a lampreia, mas as receitas tradicionalmente portuguesas são o arroz de lampreia, cujas receitas mais famosas são as do Minho, e a Lampreia à Bordalesa.

A receita de arroz de lampreia de Entre-os-Rios é uma das várias receitas minhotas deste prato tradicional, cuja principal particularidade é a inclusão de ingredientes como o  vinho maduro tinto, o presunto e o salpicão.