Tag Archives: vitela

Escalopes à Moda de Viena (Áustria)

escalopes à moda de Viena

Wiener schnitzel é a designação tradicional deste prato de carne, um dos mais conceituados da gastronomia austríaca. No Brasil, é conhecido como Bife à Milanesa, sendo que, em português, de uma forma geral, é designado simplesmente “panado” ou “panadinho”.

Pensa-se que o prato tenha tido origem em Bizâncio, uma cidade da Grécia Antiga, tendo a receita sido levada para a Península Ibérica por comerciantes árabes durante a Idade Média e, posteriormente, para a Itália. No século XV, os habitantes de Veneza ostentavam a sua riqueza colocando grãos de ouro sobre a comida. No entanto, surgiu uma lei a proibi-lo e, a partir de então, o ouro passou a ser substituído pelo pão ralado, que se mantém até aos dias de hoje.

Tripas à moda do Porto

tripas à moda do Porto

Tripas à moda do Porto é o prato mais tradicional da cidade do Porto, sendo confecionado com diferentes tipos de carne (mão de vitela e chispe de porco), tripas (folhos, favos e touca – ou seja, dobrada, como se designa nas regiões mais a sul de Portugal), enchidos diversos e feijão branco. Este prato de carne, afamado aquém e além fronteiras de Portugal, foi um dos finalistas das 7 Maravilhas da Gastronomia portuguesa.

A receita remonta ao final da Idade Média e está intimamente relacionada com a história da cidade e dos seus habitantes. Além de ser uma das glórias do Porto, o prato daria o nome aos habitantes da cidade, conhecidos vulgarmente por tripeiros.  Na altura em que foi criada a receita, a carne não tinha os acompanhamentos da receita atual, até porque o feijão foi introduzido em Portugal após esta época, já na sequência dos Descobrimentos Portugueses; na época, as tripas eram simplesmente acompanhadas com fatias de pão escuro. De entre as várias lendas associadas à criação do prato, a que parece ser efetivamente verídica é a de que o povo, aquando da partida das naus para os Descobrimentos, terá respondido ao apelo  do Infante Dom Henrique, fornecendo as embarcações e enchendo as barricas de madeira com carne salgada. Para o seu consumo, a população ficou somente com as miudezas para confecionar, incluindo as tripas. Foi com elas que tiveram de inventar alternativas alimentares, surgindo assim este prato, também ele símbolo da capacidade de resistência e adaptação da população portuense.

Goulash (Hungria)

goulash

Goulash é o prato mais conhecido da cozinha tradicional húngara, tipicamente rica em aromas e sabores picantes.
Apesar da sua fama, há  uma confusão generalizada acerca da designação desta receita e a sopa de carne conhecida na Hungria como Goulash ou Gulyás. Já o goulash, tal como o conhecemos, pode ser chamado Pörkölt ou Páprika.
O segredo deste cozido está na quantidade de cebola que ele leva e no seu cozinhar lento.
O autêntico goulash foi herdado dos antigos pastores da região, sendo inicialmente preparado com carne de vaca e cebolas. A paprica, condimento que atualmente não se pode dissociar da receita, foi introduzida posteriormente, uma vez que este prato já existia antes da descoberta da América.
A receita tornou-se popular em todo o Império Austro-Húngaro quando um regimento húngaro esteve a prestar serviço em Viena e foi a partir dessa altura, meados do séc. XIX, que se propagou pelo mundo. Os vienenses reivindicam para si a criação de uma variante da receita tradicional, em que empregam preferencialmente a carne de vitela e servem carcaças como acompanhamento.

Ingredientes:

Posta Mirandesa (Trás-os-Montes e Alto Douro)

A posta mirandesa é uma receita de excelência da cozinha tradicional transmontana. Feita à base da carne de vitela da região, marcada pela sua qualidade internacionalmente reconhecida, é um dos pratos de origem popular que rapidamente atingiu notoriedade aquém e além fronteiras de Portugal.

A receita teve a sua origem nas feiras de gado que se realizavam por todo o distrito de Bragança, sendo inicialmente temperada somente com sal grosso que era lançado sobre sobre os nacos de carne, dispostos sobre uma grelha bem quente. A posta de carne era depois servida sobre um pedaço de pão caseiro, sendo saboreada com o molho que ia libertando no pão.