Bacalhau à Zé do Pipo (Porto)

bacalhau à Zé do Pipo

O bacalhau à Zé do Pipo é um prato típico da cozinha portuguesa, mais concretamente da culinária tradicional do Porto. O nome da receita, por muitos considerado o melhor prato de bacalhau, deve o seu nome ao seu autor – Zé do Pipo, dono de um restaurante tradicional do Porto. A receita foi criado na década de 60 e obteve o 1º lugar num concurso da época, denominado “A melhor refeição ao melhor preço”.

Para confecionar este famoso prato de peixe, são necessários três ingredientes indispenséveis: lombos de bacalhau de excelente qualidade, maionese caseira e puré de batata, também caseiro. Após cozedura, o bacalhau é gratinado com os restantes ingredientes.

Pato com Mel e Puré de Maçã (Polónia)

pato com mel e puré de maçã

Os polacos dão muita importância às refeições e, por isso, dedicam-se na preparação dos seus pratos. A culinária da Polônia é rica, substancial e relativamente alta em gorduras, mas igualmente irresistível. Baseada na carne de porco e na batata, a gastronomia polaca também inclui aves, legumes e verduras, abusando nas ervas aromáticas, que deixam os pratos com uma aparência fresca e apetitosa. A Polónia é o maior produtor de maçãs da Europa e, por isso, este é um ingrediente comum em muitas receitas tradicionais polacas.

Este prato é uma das receita tradicionais de Natal do país. O mel dá à carne um sabor agridoce e o contraste de sabores e texturas com o puré de maçã torna a receita muito especial. Experimente e verá que não se vai arrepender!…

Pirão de Bode (Brasil)

pirão de bode

Esta receita, feita com o caldo de cozer o pernil usado no Cabrito do Cumpadre, é um prato tradicional da cozinha brasileira. Oriunda do nordeste, está entre os pratos de carne mais apreciados naquela região. Deve ser servido quente e mole, podendo ser decorado com ovos cozidos salpicados de pimenta do reino.

A receita é extremamente simples de preparar e fica muito saborosa. O pirão não tem um sabor tão intenso como a carne de bode e, se for servido com ela, fica uma delícia.

Sopa de Casamento (Miranda do Corvo)

sopa de casamento (Miranda do Corvo)

Esta sopa é feita no concelho de Miranda do Corvo, com o aproveitamento do saboroso molho da chanfana, muito rico em gordura e nos vestígios de carne.  Tal como a chanfana, é cozinhada numa caçoila de barro, indo ao forno apurar.
A história desta sopa tradicional da cozinha de Miranda do Corvo prende-se com a do prato que lhe deu origem, tendo sido criada no decorrer das invasões francesas, época marcada pela escassez de recursos e que exigia que se fizesse um aproveitamento criterioso dos ingredientes. Até há algumas décadas atrás, a carne comia-se apenas em épocas especiais – festas e casamentos – e os legumes provenientes das hortas, assim como o pão, maioritariamente caseiro, eram os alimentos mais consumidos pelos portugueses. Assim, não se poderia desperdiçar quaisquer sobras de um prato de carne e, comida a Chanfana, fazia-se (como ainda se faz) a deliciosa Sopa de Casamento com o seu molho.
Manda a tradição que os noivos ofereçam o almoço aos convidados no dia seguinte ao casamento. Na época, como já não havia carne suficiente, fazia-se a sopa que se enfeitava com os pedaços de carne ainda disponíveis.

Ingredientes:

Massa de Malagueta

malaguetas

A massa de malagueta é um tempero forte, marcadamente picante, muito frequente na gastronomia açoriana,  especialmente na ilha de S. Miguel. Esta iguaria acompanha quase todos pratos tradicionais açorianos, chegando mesmo ser servida simplesmente com batata cozida ou ovos.
No continente nem sempre é fácil de encontrar, pelo que é ótimo ter a receita caseira para poder fazer a massa em casa. Mesmo as que se encontram à venda não têm o sabor e intensidade caracteristicamente caseiros, sendo esta muito mais picante do que a de compra.
A massa de malagueta não deve ser confundida com massa de pimentão, muito usada no continente, sendo muito mais intensa e picante. Para a massa de pimentão se aproximar da de malagueta, dever-lhe á ser adicionado piri-piri.

Ingredientes: