Charque Farroupilha

charque

A Revolução Farroupilha, também conhecida por Guerra dos Farrapos, deu-se no Rio Grande do Sul e foi a mais longa revolta brasileira (1835-1845). Na época, esta região do Brasil tinha uma economia baseada na criação de gado e na produção de charque (carne seca), couro, sebo e graxa, que se destinavam ao mercado interno. O charque era vendido em todas as províncias (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e na região nordeste), pois era usado na alimentação dos escravos.

Os produtores gaúchos reclamavam dos altos impostos cobrados pela entrada de seus produtos nas outras províncias e da concorrência “desleal” do Uruguai e da Argentina, países que também produziam e vendiam charque para o Brasil, mas que pagavam um imposto alfandegário baixo. Assim, os produtos importados eram muitas vezes mais baratos que os provenientes do Rio Grande do Sul, o que estava a arruinar a economia gaúcha. A 20 de setembro de 1835, os rio-grandenses, conhecidos como farroupilhas (palavra usada para ridicularizar os simpatizantes das ideias liberais), revoltaram-se contra o governo, obrigando o presidente da província a fugir. A partir de então, a cada 20 de setembro se assinalam os ideais da Revolução Farroupilha, que tinha como objetivo melhorar as condições económicas de Rio Grande do Sul. E é assim que, todos os anos, os gaúchos reafirmam o orgulho nas suas origens.

Este prato tradicional de carne está, pois, intimamente relacionado com a história de Rio Grande do Sul e da população gaúcha em geral, sendo confecionado à base de charque e outros ingredientes preponderantes na gastronomia local.

Ingredientes:

  • ½ kg de farinha de mandioca
  • 1 kg de charque
  • 1 molho de cheiro verde
  • 1 pitada de colorau
  • 1 pitada de pimenta
  • 2 cebolas
  • 2 colheres (sopa) de banha
  • 4 dentes de alho

Confeção:

Corte o charque em tiras de 4 ou 5 centímetros.

Lave bem a carne, coloque-a numa panela com água suficiente para a cobrir e ponha a cozer.

Antes de levantar fervura, escorra a água e prepare um refogado. Para tal, acrescente a banha, a cebola, o alho picado, o colorau e a pimenta. Deite água até cobrir o charque e deixar ferver por 5 minutos.

Deite metade do molho numa panela à, acrescentando a farinha aos poucos, até fazer uma papa consistente.

Coloque o pirão numa travessa e , dispondo disponha o charque sobre ele. Polvilhe com o molho de cheiro verde picado e sirva.

Se fizer esta receita, mande-nos a sua foto para o email cozinhaatradicional@gmail.com e nós faremos a divulgação com a indicação da sua autoria.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>