Tag Archives: louro

Arroz de Lingueirão (Algarve)

arroz de lingueirão

A gastronomia algarvia tem por base peixe, marisco e produtos do campo, maioritariamente confecionados em cataplanas, guisados ou grelhados. O arroz de lingueirão é um dos pratos tradicionais do Algarve que servem de referência à gastronomia regional, sendo mesmo conhecido aquém e além fronteiras de Portugal – em muito graças ao turismo algarvio.

Associados ao lingueirão, os coentros, o pimento, o louro, o cravinho e o vinho são ingredientes que dão a este prato um aroma e sabor únicos.

Bacalhau à Zé do Pipo (Porto)

bacalhau à Zé do Pipo

O bacalhau à Zé do Pipo é um prato típico da cozinha portuguesa, mais concretamente da culinária tradicional do Porto. O nome da receita, por muitos considerado o melhor prato de bacalhau, deve o seu nome ao seu autor – Zé do Pipo, dono de um restaurante tradicional do Porto. A receita foi criado na década de 60 e obteve o 1º lugar num concurso da época, denominado “A melhor refeição ao melhor preço”.

Para confecionar este famoso prato de peixe, são necessários três ingredientes indispenséveis: lombos de bacalhau de excelente qualidade, maionese caseira e puré de batata, também caseiro. Após cozedura, o bacalhau é gratinado com os restantes ingredientes.

Alcatra da Ilha Terceira (Açores)

Alcatra da Ilha Terceira (Açores)

A alcatra é um prato muito aromático, sendo considerado um ex libris da cozinha tradicional da ilha Terceira, nos Açores. Este prato de carne é tradicionalmente confecionado num alguidar de barro vermelho, não vidrado, alto e ligeiramente afunilado, sendo as quantidades da receita ajustadas ao seu tamanho, uma vez que há à venda alguidares de diferentes dimensões. No entanto, se não tiver um destes alguidares típicos, poderá confecionar o prato num tacho de barro, muito comum na cozinha tradicional portuguesa.

Existem várias versões da receita, embora com variações sobretudo nos temperos, que são aplicados a gosto. Antigamente a alcatra era feita com vinho de cheiro, um vinho tinto feito a partir de uvas de casta americana com que se replantaram as vinhas açorianas após uma praga no século XIX. Atualmente, é comum usar-se o vinho branco (ou o tinto, em algumas receitas) na confeção da receita.

Kapustnica (Sopa de Natal – Eslováquia)

kapustnica

Na Eslováquia, tal como na Polônia, as famílias católicas dão início à celebração do Natal com uma ceia, quando a primeira estrela aparece no céu. A Kapustnica não pode pode faltar à mesa da festa de Natal e cada família tem a sua própria variação da receita tradicional. Algumas famílias comem esta sopa durante 12 dias, desde a ceia de Natal, a 24 de dezembro, até 6 de janeiro.
Trata-se de uma sopa marcadamente festiva, feita com ameixas, cogumelos e enchidos. No entanto, o segredo da receita é o chucrute (um repolho ralado e fermentado, muito apreciado nos países da Europa setentrional).
A sopa fica ainda melhor no dia a seguir ao da confeção, pois os sabores ficam mais ligados uns aos outros. Basta aquecer e acrescentar um pouco de água se estiver muito grossa (de qualquer forma, a Kapustnica é uma sopa espessa). Bom apetite!

Ingredientes:

Perdiz de Escabeche (Beira Interior)

perdiz de escabeche

Perdiz de escabeche é um prato tradicional de caça oriundo da Beira Interior, região onde podemos encontrar diversos pratos desta especialidade. Trata-se de uma receita derivada de tradições muito antigas, típicas da região, em que os homens iam à caça e as mulheres guardavam as perdizes em escabeche para as irem comendo durante todo o Inverno. Na época não havia ainda frigoríficos ou congeladores domésticos para conservar a carne, pelo que as perdizes mantinham-se por longos períodos de tempo – a caça acabava no final de dezembro e as podiam conservar-se até à primavera.

O prato foi um dos finalistas no concurso das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa, representando a Beira Interior, na categoria de caça. A confeção baseia-se em ingredientes simples, onde predomina o uso dos temperos e das ervas aromáticas, que intensificam sabores e aromatizam o prato, tornando-o muito apelativo.