Pular para o conteúdo
Home » Orelhas de Abade (Alentejo)

Orelhas de Abade (Alentejo)

Compartilhe!

Os doces conventuais são verdadeiros pecados gastronómicos, fartos em ovos, açúcar, frutos secos e amêndoas. As Orelhas de Abade, conhecidas no Brasil como Orelhas de Frade, são um destes doces de origem conventual, com nomes que lembram a igreja católica.

Estes fritos tradicionais da época natalícia integram o património da cozinha portuguesa e consistem numa massa com ovos que, depois de frita, é envolvida em mel ou calda de açúcar e polvilhada com canela. A fritura faz a massa abrir e dá-lhe o formato de orelha característico.

Ingredientes:

Para a massa
  • 15 g de fermento de padeiro
  • 500 g de farinha de trigo
  • 60 g de manteiga
  • 8 ovos
Para a cobertura
  • mel ou calda de açúcar q.b.
  • canela em pó q.b.

Confeção:

Amasse muito bem todos os ingredientes e deixe levedar, em local ameno, durante 2 horas.

Passado o tempo de levedura, deite a massa numa superfície lisa, polvilhada com farinha, e estenda-a com o rolo até ficar muito fina.

Corte pequenas porções de massa com cerca de 1 palmo de comprimento e meio de largura. Ponha a fritar em óleo quente e dê-lhes logo a forma de orelha, dobrando a massa com um garfo.

Depois de fritos, passe os bolinhos por mel ou calda de açúcar e polvilhe com canela.

2 comentários em “Orelhas de Abade (Alentejo)”

  1. Boa tarde.
    Há alguma razão para não se conseguir guardar a(s) receita(s) que me interessa(m), ou será que estou a fazer algo de errado. Pois como o tempo é sempre tão curto e estar a passar a receita à mão demora muito tempo. Se houvesse maneira de imprimir já ajudava bastante, pois sou fã do vosso site e das receitas que apresentam.

    Grata pela melhor atenção, aguardo a vossa prezada resposta

    1. Boa noite, Alexandra:

      Para imprimir as receitas, basta carregar no ícone com a impressora que se encontra no final.

      Cumprimentos,
      Doces Regionais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *